Buscar

A dificuldade do primeiro filho...

Exponho algumas ocorrências comuns para pais de primeira viagem, pois não é só o baby que nasce, nós nascemos também como mãe/pai nessa grande viagem que é a criação de um novo ser humano.



Busquei trazer tanto minha visão oriunda da experiência profissional (atendimento psicológico de mulheres grávidas no setor Perinatal no Hospital Pedro Ernesto ou da clínica particular), como também, a minha vivência como mulher nesse novo papel que ocupo há alguns meses, o de mãe de primeira viagem.


  • Os primeiros 3 meses após nascimento são difíceis, para alguns pais bem mais que outros, devido aos fatores a seguir:

  1. As cólicas sofridas que os bebês tem nessa fase (o sistema gastrointestinal do baby está se acostumando com o leite), esse processo é bastante doloroso para alguns bebês e os pais sofrem por tabela.

  2. Nesse período, está ocorrendo a adaptação da família com o bebê e o baby que também está tendo que se adaptar a um novo mundo e o que tudo isso significa? Muitas noites sem dormir direito, muito cansaço físico e mental, principalmente para a mãe que precisa amamentar.

  3. Alguém com mais experiência na maternidade me disse há algum tempo "Dormir como antes? Isso não te pertence mais!" - Então saiba, de fato o seu sono nunca mais será igual ao de antes, ao menos a maioria das mães sentem essa mudança , pois qualquer barulhinho ou suspiro diferente que seu filhote faça na madrugada, sua antena te acorda - e em épocas de viroses/doenças isso vai acontecer muitas vezes a noite.

  4. Ter filhos é a maior e mais longa aventura na vida de uma pessoa, isso quer dizer: terá momentos maravilhosos, outros muito cansativos e estressantes. Cada dia na rotina do cuidar terá uma novidade para ser apreciada - a fase do desenvolvimento infantil é algo fascinante em testemunhar. Tornar-se parentais (pais) significa viver um retorno simbólico à sua infância, toda experiência com a cria é algo psiquicamente profundo para os pais, alguns tem consciência do processo e quantos outros não, porém todos passam por esse "retorno" e isso traz uma mudança irreversível no psiquismo de ambos.

  5. Após o filho nascer, as preocupações crescem vertiginosamente, os medos também e haja terapia! Antes da maternidade, eu me virava bem e minhas preocupações eram trabalho/estudos e relacionamento; agora além destes, tenho que focar (preocupar) 24 horas com o bem estar da minha filha e o futuro dela; a responsabilidade e o desgaste mental/emocional em criar um filho é imenso; pensar nos menores detalhes e continuar pensando, dormir muito cansada e acordar menos cansada, menos é diferente de descansada- isso pode durar nos primeiros anos da criança, ou até a vida toda, segundo alguns pais.

  6. As mudanças acontecem como um todo, seja externa como internamente, tudo muda: a dinâmica da família, do casal , o “olhar” sobre a vida e você mesmo torna-se diferente, em muitos sentidos - pois junta-se a bagagem emocional de todas as questões não resolvidas da sua vida com a fase nova, entende? Devido a isso, podem surgir problemas emocionais graves, como depressão pós- parto; algumas pessoas passam por um processo de retificação da infância, terapia ajuda muito quando esse ciclo de transformações está emocionalmente intenso. Não hesite em procurar terapia presencial ou online se não estiver conseguindo dar conta.

  7. Mulher (mãe): seu corpo mudará drasticamente durante e pós gestação, então cuide de seu emocional para conseguir lidar "melhor" com essas mudanças e com os hormônios, que vão te deixar algumas vezes doidinha- crises de risos / crises de choro, com ou sem motivos, não se assuste, pois é algo normal. Carência e dependência também podem rolar; medos diversos como das mudanças que estão a caminho, da saúde do bebê, formação do feto, risco gestacional - sua mente vai criar muitos monstros, mas pense positivo e procure uma psicóloga nesse processo, vai te ajudar muito!

  8. Mulher (mãe): Surgirão muitos desejos novos, alguns absurdos, como você odiar comer algo por toda sua vida e durante a gestação aquilo ser o que há de melhor no mundo (aconteceu comigo! 😆). A questão da libido, algumas mulheres durante a gestação perdem o tesão, enquanto outras aumentam drasticamente e ainda tem o grupo que alterna as duas fases; converse com seu parceiro sobre isso, prepará-lo para o que vai acontecer vai lhe poupar de problemas. Após o nascimento e resguardo, busque dividir tarefas com o companheiro, para sobrar energia para momentos íntimos- uma mãe cansada só tem energia para cuidar do filho e com ajuda do maridão, terá mais energia para curtir seu parceiro também.

  9. Homens ou parceiras: sejam companheiros durante a gestação e após, na amamentação. A gestante terá crises emocionais devido aos hormônios em ebulição nessas duas fases, tenha muita paciência e dê bastante carinho. Evitar estresse é o que ela e o baby mais precisam.

  10. Homens ou parceiras: tenha consciência que ficará sem sexo por um longo período, pois sua esposa estará impossibilitada de fazer e quando retornarem a ativa, existe uma grande chance de a frequência e o fogo sexual não ser como era antes, isso é perfeitamente normal- a quantidade de energia que se gasta para cuidar de um bebê nos primeiros meses diminui qualquer libido (energia sexual). Então, se você ajudar mais a sua esposa a cuidar da cria e também da casa, terá mais chances da vida sexual voltar com qualidade.

  11. Importante frisar que tudo muda após um filho, a relação do casal principalmente, a mulher estará focada exclusivamente na sua cria durante os primeiros meses. Se após alguns meses, ela continuar ausente da vida intima de casal, converse com ela e se for o caso, procure ajuda de um profissional de psicologia especializado em terapia de casal/família.

  12. Importante os pais buscarem uma rede de apoio (familiares ou amigos), para dar suporte em caso de não estarem dando conta no inicio do processo, ou mesmo, para ter uma folga do baby e sair para curtir um ao outro- o casal precisa buscar ter momentos sozinhos para distrair e se curtir (vale night).

  • E se rolar arrependimento após o nascimento? Em momentos de cansaço extremo e estresse, alguns pensamentos poderão brotar "Aonde eu estava com a cabeça?"... Não se preocupe, absolutamente normal pensar nisso em alguns momentos na fase inicial de adaptação; geralmente, ao descansar um pouco e relaxar a mente, ver o seu baby e sentir 💗tudo normaliza. Se não acontecer a mudança de pensamento, procure ajuda profissional de um profissional da saúde mental.

  • Ter filho é algo mágico e sublime, mas tem que estar consciente das correntezas do trajeto dessa viagem, pois é uma aventura eterna com perigos, problemas e muitos prazeres.

  • Se me perguntarem se me arrependo, digo que foi a melhor decisão da minha vida, a maternidade foi uma verdadeira iniciação iniciática de uma ordem oculta da natureza <3 algo que jamais imaginei. Não é nada fácil, mas é sublime e me sinto a serviço de algo maior que começou lá atrás com meus ancestrais.

Espero ter ajudado...

Essa postagem é um resumo focado apenas nas questões sobre pais de primeira viagem do texto original "Ter filhos ou não ter, eis a questão!" Daniele Lopes Psicóloga e Psicoterapeuta #PsicólogaDanieleLopes



©2020.  Psicologia e outras terapias All rights reserved.

Psicologia Aplicada Online